Como organizar um encontro de trocas: passo a passo para libertar nossas roupas!

Confira o nosso passo a passo para você organizar um encontro de trocas!

 

1. Encontre parceiros

Esta etapa não é obrigatória, mas pode deixar tudo mais leve e divertido. Nossa sugestão é reunir mais gente para organizar o encontro com você. A gente acha que muita coisa pode ficar melhor juntando pessoas. Dividindo tarefas, cada um faz um pouquinho e fica bom pra todos. Se ninguém da sua rede próxima topar, poste a sua intenção de fazer o encontro no facebook, nos grupos de whatsapp ou conte para as pessoas e logo alguém se anima para fazer junto. 

2. defina a data e o local 

Efetive sua ideia e crie o encontro! Vale ser em qualquer lugar! Nossas sugestões são: no seu quintal, salão do prédio, a escola ou faculdade que você estuda. Vale também ser num espaço público. Se não te deixar confortável abrir as portas da sua casa para pessoas desconhecidas, vale conversar com o dono daquele bar ou restaurante que fica numa localização de fácil acesso e tem um espaço bacana para receber o evento. Geralmente eles curtem a ideia de levar um evento e mais pessoas para acontecer em seus espaços. Instituições de ensino também são aptas a receber esse tipo de evento!

Vale a usar a criatividade e pensar em que locais estão ociosos e tem potencial para receber um encontro lindo desses. Esqueça da vergonha e bora trocar ideia com futuros parceiros para achar o espaço.  Depois disso, pense num nome diferentão para o encontro, assim o convite vai ficar ainda mais atrativo para as pessoas. 

3. ORGANIZE A ESTRUTURA

Pra realizar um encontro de trocas, uma estrutura básica é necessária. Isso varia muito da quantidade de pessoas participantes, mas o que normalmente precisamos são araras, cabides e mesas. Os dois primeiros itens são para organizar as peças adequadamente, todas penduradas, o que facilita muito o acesso e a visibilidade; assim todo mundo consegue ver tudo e sair contente. As mesas são, principalmente, para receber as peças que chegam e contabilizar as que estão saindo. Se o evento for maior, vale deixar uma mesa no centro, próxima as araras, o que ajuda vai ajudar o pessoal a ver melhor alguns itens e se organizarem com as próprias contagens. 

E como conseguir tudo isso? Nossa primeira dica segue a mesma: encontre parceiros. Dá pra entrar em contato com lojas que tenham cabides e araras sobrando, ou com pequenos defeitos. Também dá pra pedir um empréstimo dessa estrutura pra elas. Por exemplo, você pode tentar uma parceria e fazer um evento de trocas num brechó por ai, porque não? A ideia é fomentar espaços e atingir as pessoas.

Outra solução é entrar em contato com instituições de ensino, propondo esse evento. É normal esses espaços (principalmente os que têm os cursos de moda e design) terem esses materiais, podendo emprestá-los e entrar junto na história. 

Foto: Renata Miguez

Foto: Renata Miguez

Se você não conseguir parcerias e empréstimos de tudo isso, pode realizar um evento de pequeno porte e expor as peças nas mesas, com poucos cabides. Nossa outra dica é que você pode fazer os cabides e as araras, reutilizando materiais como papelão, canos de pvc e cabos de vassoura! Tudo você pode guardar para próximos eventos, ou usar na sua casa, trabalho, etc. É importante otimizar e aproveitar da melhor maneira tudo que a gente já tem!

A gente usa botões como moeda. Fica fofo e reutilizável.

A gente usa botões como moeda. Fica fofo e reutilizável.

4. Defina como você quer que rolem as trocas

Existem diferentes formas de fazer as trocas rolarem. Quanto mais livre for o formato das trocas, menos a organização do evento terá o trabalho de intermediar. Porém, a curadoria das peças será menos garantida.

Não tem melhor nem pior, é uma questão de escolha. O importante, depois de definir a modalidade, é avisar os convidados! Escolha entre os seguintes formatos:

Desapego total - Os participantes chegam e deixam as peças expostas. A partir daí qualquer um pode pegar qualquer peça. 

Por equivalência - Define-se quanto “vale” cada tipo de item. Ex. Calça = 2 e Blusa = 1. Com base nesta tabela são distribuídas fichas, a moeda do evento, para quem chega de acordo com as peças que trouxe. Com o crédito que tiver os participantes escolhem as peças que querem levar pra casa. O trabalho principal do organizador é o de receber as peças na entrada do evento, entregar as fichas equivalentes e na saída receber as fichas em troca das peças retiradas. 

Se você optar pelas trocas com equivalência, é importante deixar no dia plaquinhas contendo essas informações, além de outras sinalizações que forem necessárias (entrada, saída, etc).

Tabela de trocas que costumamos usar. // Foto: Renata Miguez

Tabela de trocas que costumamos usar. // Foto: Renata Miguez

Atenção: tanto para a troca com curadoria por equivalência a chance de sobrarem bastante peças é grande! Pense antes no que pretende fazer com elas para não levar só entulho de roupas que ninguém quis para casa.

Com curadoria - O organizador recebe as peças antes e escolhe previamente o que vai estar disponível no dia e o que será doado. No dia, a troca acontece no mesmo esquema das moedas, cada participante recebe um vale equivalente as peças que entregou anteriormente.

Trocas livres - Os participantes recebem as instruções de limite de peças máxima para levar no dia e o resto é com eles. Cada um define como vai fazer sua troca no dia e quais critérios usar. Neste esquema é bom ter banquinhas ou mesas para cada um expor suas peças e poder ver as dos outros. 

5. Convide as pessoas

É preciso divulgar e convidar as pessoas. O ideal é fazer isso com pelo menos 2 semanas de antecedência, avisando o que precisam trazer e como vai funcionar o esquema de trocas. Lembre-se: quanto mais gente, mais trocas. Então vale o esforço de divulgar bastante! Vale tudo: passar de sala em sala na escola ou faculdade, nos departamentos do seu trabalho e fazer um evento no Facebook. O importante é espalhar a notícia para mais pessoas.

6. Separe suas coisas

Veja o que você tem que poderia ser trocado. São coisas boas que podem ter uma vida longa, mas que você já não usa mais. Abra gavetas e armários, revire estantes e o guarda-roupa. Seja prático: se você não usa há um ano, por exemplo, é provável que não vá usar de novo. Dê essa dica aos participantes convidados também.

7. O GRANDE DIA: faça o encontro acontecer

Chegue algumas horas antes no espaço e monte o que for necessário para fazer o encontro acontecer. A organização necessária no dia vai depender do tipo de troca escolhida e do que o espaço que você definiu oferecer. Faça uma lista anteriormente para não esquecer de nada. Cuide para estar tudo certinho, para que você possa curtir o momento das trocas. Ouvir as histórias, conhecer as pessoas e, obviamente, ver as peças que estão pra rolo. Ao fim da feira, certifique-se de que todo o lixo foi recolhido e que as peças que sobraram sejam guardadas para serem encaminhadas da forma que você escolher.

8. Siga trocando

Algumas coisas talvez não sejam trocadas. Para elas, vale escolher a opções de troca online, pelo Roupa Livre App ou outras dicas de encaminhamento. O importante é não guardar no armário de novo e deixar as coisas esquecidas por mais um ano!

9. Compartilhe a experiência

Tire fotos do encontro, das coisas que trocou e compartilhe. Converse sobre essa experiência. Isso pode contagiar mais pessoas a começar a trocar também - um jeito de consumir mais acessível, mais social e que ainda faz bem para o planeta.

Ah, e não esqueça de nos contar também, para que a gente possa acompanhar o seu encontro. Vamos libertar nossas roupas? 

-- Post escrito com carinho, por Bárbara Poerner e Mari Pelli.