#RoupaLivreParticipa: Workshop de Upcycling como Processo Criativo

Nos dias 11 e 12 de novembro de 2016 tive a oportunidade de participar do Workshop de Upcycling como processo criativo, promovido pelo Instituto Rio Moda, no Senac de São Paulo e facilitado pela Agustina Comas, da marca de upcycling COMAS (parceira querida do Roupa Livre ♥).

No primeiro dia tivemos uma abordagem teórica, onde Agustina falou sobre a história e conceito do upcycling. Vimos que uma das primeiras definições de sustentabilidade foi “desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente, sem comprometer as necessidades do futuro.”

Concentradíssimas na Agustina e as informações riquissimas que ela nos trouxe.

Concentradíssimas na Agustina e as informações riquissimas que ela nos trouxe.

Nos deparamos mais uma vez com os grotescos números da indústria têxtil. Só em 2015, conforme a ABIT, sobraram 288,5 milhões de peças de roupas. A partir disso, vem o questionamento: porque um material ou artefato se torna lixo e descarte?

Uma das respostas para esta pergunta é porque esses artefatos e materiais perdem o sentido. Rafael Cardoso, escritor e historiador, em seu livro “Design para um mundo complexo” diz que “o lixo nada mais é do que matéria desprovida de sentido”; ai entra o processo de upcylcing, que traz a ressignificação, através da transformação, ao que era considerado descarte. Emerge a durabilidade de sentido.

Depois desse embasamento, no segundo dia, partimos pra colocar a mão na massa. Primeiro Agustina pediu para formarmos duplas, e então escolhermos uma ou duas peças entre as que havíamos trago. Depois foi a hora de a vestirmos e remodelarmos no nosso corpo, criando novas formas, jeitos de usar, opções de transformação, tudo sem cortar nada, usando no máximo alfinetes pra prender, deixando nossa criatividade fluir… e fotografar cada etapa! Dá uma olhadinha em algumas composições com uma camisa social que eu e a Mercedes, minha dupla, fizemos:

Experimentações com a camisa antes de partir para o corte.

Experimentações com a camisa antes de partir para o corte.

Com várias alternativas fotografadas, escolhemos as que mais gostamos e desenhamos rapidamente sua forma e detalhes principais. Depois, poderíamos fazer o primeiro corte na peça; isso porque muitas vezes nos adiantamos e cortamos sem pensar muito, o que pode restringir nosso desenvolvimento criativo e não dar o resultado esperado pra peça. Desta maneira a energia usada para confeccionar a peça também não é desperdiçada. Após esse corte, testamos mais algumas composições, e partimos pra parte de confeccionar o modelo escolhido.

Eu e Mercedes deixamos nosso desenvolvimento e criatividade fluírem livremente, o que resultou na escolha de fazer calça-saia; usamos a camisa social masculina, garimpada de um Encontro de Trocas, e também umas partes de uma calça da Mercedes. O resultado foi um modelo bem diferente. Nas criações das outras duplas tinham coletes, blusas, croppeds, vestidos e saias. Olha só o resultado:

Essa sou eu tentando me integrar aos manequins.

Essa sou eu tentando me integrar aos manequins.

Ao todo, participaram 8 mulheres na sexta, e 6 no sábado, além da Agustina e da Isa, ambas da COMAS. Olha só as iniciativas que pude conhecer participando do workshop: a Ameieuquero, da Merecedes, uma marca que trabalha com o upcycling; a Lavra Store, da Fernanda, uma marca de roupas que tá na MALHA, lá no Rio; a Amme Ateliê, uma marca de roupas da Marianna, para gestantes e sob medida; e também a Daf e a Maria Victória, que estão pensando e dando inicio aos seus projetos!

Foram dias de bastante aprendizado, troca de experiências e ideias. Me conectei com pessoas interessadas em mudar a lógica do consumo e de produção. É sempre muito bom e importante começarmos a nos juntar cada vez mais para transformarmos este sistema de moda!

#RoupaLivreParticipa: Uma série de posts sobre os eventos que participamos, onde aprendemos e trocamos conhecimento com diversas iniciativas. Compartilhamos nossos aprendizados pois acreditamos que a troca e a documentação do que está sendo feito de mais concreto em termos de transformação deste sistema de moda é fundamental.

-- Post escrito com carinho, por Bárbara Poerner.