O que pode significar o pedido de falência da Forever 21?

Pare de pensar. Comece a comprar. Foi com essa frase que fui recepcionada quando entrei na primeira loja da Forever 21 aqui no Brasil. Agora, 5 anos depois daquela inauguração, a empresa está à beira de entrar com um pedido de falência nos Estados Unidos.

Parece que a estratégia de não pensar muito a respeito e só valorizar a compra, compra, compra também não dá muito certo nem pra quem vende, não é mesmo?

Com 815 lojas espalhadas pelo mundo a marca tem, segundo a Veja, histórico de atrasos nos pagamentos de fornecedores desde 2016, e precisaria de um aporte de 150 milhões de dólares para continuar operando.

Ainda não dá pra saber como esta crise vai afetar as 30 lojas brasileiras, pois um pedido de falência nos EUA não significa que a empresa será encerrada nem por lá e nem ao redor do mundo, onde está presente. O pedido, de acordo com a lei americana, que é muito similar à brasileira por sinal, pode funcionar como um recomeço financeiro. A empresa fica protegida das cobranças até que se chegue a um acordo sobre o pagamento das dívidas, tendo que apresentar um plano que detalha como pretende se recuperar para que as negociações sejam aprovadas por um tribunal.

Também não dá pra afirmar que está é uma "vitória" do movimento de uma busca por um consumo mais consciente. Primeiro porque não há vitória em um jogo em que as perdas coletivas são tantas. E, quando uma empresa desse porte que chega ao ponto de falir, significa que muito provavelmente não existiu um trabalho prévio de redução consciente que cuide das pessoas que fazem parte do quadro de funcionários, por exemplo. O que devemos celebrar não é a quebra das empresas e sim a sua transição consciente e muito bem cuidada para modelos que cuidem mais do planeta e das pessoas.

Segundo porque talvez as dificuldades da empresa tenham se agravado pelo simples fato de as pessoas estarem preferindo comprar roupas baratas direto de sites como Aliexpress (afinal as roupas vem do mesmo lugar e são bem parecidas) sem precisar de lojas tão estruturadas para adquirir algo a qual dão cada vez menos valor.

Seja lá o que levou a Forever 21 a esta crise, o fato é que vamos continuar tendo notícias das consequências do movimento inevitável de decrescimento da moda como conhecemos. Seguimos de olho.